domingo, dezembro 16, 2007

Falanstério 51 - Pra Não Dizer que Não Falei das Flores

Flores em vocês.

A Bicicletada do dia 14/12/2007, realmente foi especial. A típica garoa fina paulistana caía nas ruas e os ciclistas tinham que ter a atenção redobrada. No meu caminho até a Praça do Ciclista, em alguns momentos, fiquei parado entre os veículos no trânsito de sexta-feira. Em época natalina o tráfego fica ainda mais congestionado. Fiz rotas alternativas para enfim chegar no ponto de encontro.

Cheguei por volta das 18:40 e a praça estava com um bom número de participantes. Tínhamos diversos fatores que poderiam "afastar" os integrantes da Bicicletada, mas isso não aconteceu. Cumprimentei os amigos e a repórter, Priscila, da revista Vida Simples nos entrevistava para escrever sua matéria.

Soube pelo companheiro Igor que o Ismael apareceu na praça um pouco antes de mim para agradecer o apoio. Explicando: O Ismael teve sua bicicleta apreendida, no começo da semana. A síndica da Galeria Ouro Fino, que fica na Rua Augusta, "denunciou" que a bike dele estava presa nos gradis da Galeria e por isso não poderia ficar ali. As "autoridades" levaram a magrela do Ismael, que ficou estacionada na Sub-Prefeitura de Pinheiros e o mais impressionante, só poderia ser retirada de lá com o pagamento de uma multa de R$ 500,00!!! Além de não termos quase espaços para andar pela cidade, não podemos parar as bicicletas em locais públicos e ainda inventam regras novas. Mas com a mobilização dos "agentes" da Bicicletada o Ismael teve sua bike de volta e teve até pedido de desculpas dos "oficiais".

Ismael vibra com a conquista. (Sandinista)

Aos poucos mais pessoas iam chegando. E mesmo com o frio e a chuva fina todos estavam animados para o passeio pelas ruas de São Paulo. A idéia principal era fazer uma visitinha na Ouro Fino. O cicloativista Courier, Gatti, mais uma vez inovou. Chegou pedalando uma bicicletinha full. Sucesso na praça e 3 crianças que vendem balas no farol se divertiram com a magrelinha do Gatti.

Nesta Bicicletada, tivemos a presença de 4 damas do pedal. A fotógrafa Polly não pôde nos acompanhar, mas as 3 ciclistas floridas com margaridas ajudaram a embelezar ainda mais a Bicicletada distribuindo sementes de alegria.

Começamos a pedalar por volta das 20:30 e estávamos em 20 pessoas. Nossa primeira parada foi justamente na Galeria Ouro Fino. Chegamos e começamos a parar as bicicletas nos postes da rua e nas árvores. O homem de gravata, responsável pela manutenção do zelo do ouro chegou dizendo que não podíamos parar por ali. Sem problemas, se não podemos parar nossos veículos para fazer compras de Natal entramos com eles. E lá fomos nós para dentro do edíficio com as bicicletas. Subimos e descemos as escadas rolantes e ganhamos a confiança das pessoas que ali estavam. Os que tentavam nos barrar nada podiam fazer e apenas observavam.

Descobrimos que a síndica que "denunciou" o Ismael, possui uma loja na Galeria Ouro Fino e assim deixamos flores e papéis para ela pedalar com a gente. Quem sabe ela não vira uma Garota de Ipanema andando de bicicleta?

A corrida pelo Ouro feita de Bicicleta

As pessoas olhavam com um ar de curiosidade e perguntavam o que estávamos fazendo ali. Repetíamos o que tinha acontecido com o Ismael e todos ficaram do nosso lado e até pedalaram dentro da galeria na bicicletinha do Gatti. Coincidentemente, chega um rapaz que trabalha em uma das lojas da galeria de bicicleta! E nos mostra uma edição do Jornal da Tarde que tinha saído uma pergunta sua, questionando a apreensão da bicicleta do Ismael.

Noel lê mais um pedido.

Depois da "manifestação" na Ouro Fino, pedalamos pelas ruas enfeitadas da cidade em busca de uma furadeira wi-fi. No caminho muitas cenas engraçadas. Um ser que estava sob efeito de um bolo de chocolate, vê as bicicletas na rua Oscar Freire e grita bem alto "As bicicletas estão invandido o mundo". E enquanto estávamos esperando um farol abrir, um carro solitário escutava bem alto uma música estilo Putz Putz. Nos empolgamos e dançamos com nossas bicicletas na rua. Incomodado o ser solitário fechou seu vidro escuro e prosseguiu seu caminho fechado. Juntos comemoramos a vitória contra o isolamento.

As escadas servem de ponte para nós. E com gestos que parecem pequenos, aos poucos vamos conseguindo disseminar nossos objetivos, para quem sabe um dia, ter o equílibrio nas ruas da cidade e do País. E enquanto isso, a Massa passa alegremente!!!

4 comentários:

Luis disse...

Muito legal o relato. Estive às 18:30 mas não participei desta vez. Mas na próxima estarei lá

PEDALANTE disse...

vejo flores em você!

F L O R E S ! ! !

Marcus disse...

Parabens! Queria ter participado mas estava preso no transito! Obrigado por ter lutado por nosso direito!

Marilce disse...

Como sempre muito legal o que você escreve, como também achei muito alegre e divertido esse passeio. Espero que um dia o nosso Brasil faça como nos países da Europa, que respeitam os ciclistas e valorizam esse meio de transporte, que além de ser saudavel, só traz benefícios às cidades.
Parabéns.